Logon
Blog

Como a tripla jornada de trabalho está afetando a saúde das mulheres?

A incidência de problemas no coração aumentou entre o público feminino nos últimos tempos

​Em comemoração ao Dia Internacional da Mulher, celebrado hoje, a saúde feminina entra como um dos assuntos mais importantes a serem discutidos. Recentemente, as doenças cardiovasculares tornaram-se uma das maiores causas de mortalidade entre as mulheres, principalmente em razão da mudança do estilo de vida provocada pela dupla ou tripla jornada de trabalho, uma realidade na vida de muitas delas.

Segundo o dr. Alexandre Rouge, coordenador da Cardiologia do Hospital São Lucas Copacabana, ter uma rotina mais intensa, com demandas relacionadas com o trabalho, a família e o lar, tem deixado as mulheres mais sobrecarregadas, o que afeta diretamente a saúde e o bem-estar delas. A falta de descanso e de um momento para se cuidar eleva o estresse e diminui a qualidade de vida, podendo gerar, indiretamente, problemas como ansiedade, obesidade e pressão alta.

“É muito importante que as mulheres busquem um cardiologista para fazer exames cardíacos e monitorar a saúde do coração, principalmente depois dos 40 anos. Quanto mais a idade avança, maiores as chances de alterações nos triglicerídeos, no colesterol e na pressão arterial”, afirma o especialista. Entre as doenças cardíacas mais frequentes nas mulheres estão o acidente vascular cerebral (AVC) e o infarto agudo do miocárdio.

Além de uma rotina mais intensa e do inevitável envelhecimento, a hipertensão arterial, o colesterol alto, o diabetes, o sedentarismo e o histórico familiar estão entre os principais fatores de risco para o desenvolvimento de doenças ligadas ao coração.

Fazer exames cardíacos regulares é a melhor maneira de detectar qualquer ameaça ao coração, principalmente em fase inicial. Segundo o dr. Rouge, a prevenção é o fator mais importante para evitar as doenças cardiovasculares, para tanto, as mulheres devem priorizar uma alimentação mais saudável, evitando ao máximo a ingestão de frituras, açúcares e gorduras e o uso do cigarro, e manter uma rotina regular de exercícios ao menos três vezes na semana.​


Veja mais