Logon
Blog

Saiba como prevenir o câncer de pele

A chegada do verão aumenta as chances de desenvolvimento da doença

O câncer de pele não melanoma é o tipo mais comum de câncer no Brasil, sendo responsável por cerca de 30% dos tumores malignos registrados durante o ano. Segundo dados do Instituto Nacional de Câncer (INCA), houve uma previsão de cerca de 168 mil novos casos apenas em 2018, e as chances de desenvolver a doença aumentam com a chegada do verão. Porém, apesar da ampla incidência, esse tipo de câncer apresenta alto percentual de cura e baixa mortalidade caso seja detectado ainda no início. Por isso, apostar na prevenção é a melhor forma de evitá-lo ou, em último caso, garantir um tratamento mais efetivo.

Quem tem a pele muito clara e/ou se expõe ao sol com frequência, seja indo à praia ou caminhando na rua, é a principal vítima do câncer de pele. Segundo o dr. Frederico Müller, oncologista do Hospital São Lucas Copacabana, esse tipo da doença é mais comum em pessoas com mais de 40 anos ou em quem já tem outra doença de pele.

“Pessoas de pele negra ou morena têm menos chances de desenvolver o câncer de pele, mas, mesmo que os casos sejam raros, elas também precisam estar atentas aos métodos de prevenção”, afirma o médico.

Veja as principais maneiras de prevenir a doença:

– use protetor solar todos os dias nas áreas expostas ao sol, sobretudo nos dias mais quentes (deve ser aplicado 30 minutos antes de se expor ao sol). O Fator de Proteção Solar (FPS) deve ser de, no mínimo, 15;

– reaplique o protetor a cada duas ou três horas;

– evite o sol em excesso, principalmente, entre 10h e 16h;

– prefira andar em locais com maior quantidade de sombra;

– ao ir à praia, não permaneça muito tempo sob o sol.

Saiba mais sobre o câncer de pele

O câncer de pele é dividido em melanoma e não melanoma, sendo a segunda opção a mais frequente e com mais chances de cura. A maior parte dos casos é consequência da radiação actínica, ou os famosos raios ultravioletas, UVA e UVB, mas também pode ser desencadeada por outras doenças de pele, doenças hereditárias ou genéticas e exposição a produtos tóxicos ou radioativos. Os tipos de tumor mais frequentes são o carcinoma epidermoide e o carcinoma basocelular, que é o que apresenta a maior incidência dentro da categoria.  

“Alguns sinais devem ser observados com atenção, pois podem indicar a manifestação da doença. Um deles é algum tipo de ferida na pele que não cicatriza. Variações de cor, tamanho ou formato de sinais que já existiam também merecem atenção. Manchas que coçam, sangram ou pintas com bordas irregulares podem significar algo”, explica o oncologista.


Veja mais