Logon
Blog

Sete dicas para diminuir o consumo de açúcar, carboidratos e sal

Como acostumar o paladar a “preferir” alimentos mais saudáveis e naturais

​A obesidade é um dos grandes desafios da saúde mundial. Além de prejudicar a qualidade de vida, ela funciona como porta de entrada para doenças como . A reeducação alimentar ajuda a reverter essa realidade, mas comer de forma saudável pode ser um desafio. Confira, a seguir, diabetes tipo 2 e a síndrome metabólicasete dicas para diminuir o açúcar, o sal e os carboidratos na dieta.

  1. Diminua o que você menos gosta

As papilas gustativas respondem aos estímulos de alimentos açucarados, com muito sal ou carboidratos de forma intensa. Segundo o dr. João Merheb, nutrólogo do Hospital São Lucas Copacabana, isso acaba confundindo o cérebro e fazendo com que ele peça mais.

“Na hora da reeducação alimentar, tente diminuir primeiro o que você menos gosta: se prefere os doces, que tal começar cortando pela metade a quantidade de alimentos ricos em carboidratos? Isso já será um grande passo rumo a uma qualidade de vida melhor”, afirma o dr. Merheb.

  1. Faça as mudanças de forma gradativa

Não é incomum que as pessoas fiquem animadas quando tomam a decisão de mudar de vida, mas um dos grandes erros é alterar completamente a dieta. Pode até ser fácil nos primeiros dias, mas, a longo prazo, esse comportamento pode causar compulsão alimentar. O ideal é que as mudanças sejam feitas aos poucos, para que o corpo se adapte e aproveite cada novo alimento.

  1. Não exclua nada de forma permanente

Reduzir os alimentos com açúcar, sal e carboidratos ajudará – e muito – no combate à obesidade, mas nada deve ser cortado para sempre do cardápio. Segundo o dr. Merheb, não faz mal comer uma pizza ou um pedaço de bolo quando sentir vontade, desde que esse consumo não seja um hábito recorrente.

“Além da saúde do corpo, temos que pensar também na saúde da mente. Se um brigadeiro é o que você precisa para ajudar em um momento difícil ou para celebrar algo, não se restrinja, mas também não esbanje”, aconselha.

  1. Viva novas experiências na cozinha

Uma dieta rica em açúcares, sal e carboidratos geralmente vem acompanhada por diversos alimentos industrializados. Quem se alimenta dessa forma acaba se esquecendo da quantidade de sabores presentes nos alimentos naturais, que podem ser tão bons ou até melhores do que um hambúrguer, por exemplo.

A dica é simples: aventure-se na cozinha e pesquise receitas saudáveis ricas em sabor. Certamente novos gostos, que transformarão seu dia a dia, serão descobertos no meio do caminho.

  1. Mude o ambiente ao redor

Uma mudança de hábitos alimentares deve ser acompanhada de nova rotina, e isso inclui descobrir outros lugares para frequentar – principalmente no início da reeducação alimentar, em que as tentações ainda são fortes.

Converse com os amigos e familiares, exponha sua vontade de mudar a alimentação e forme uma rede de apoio com pessoas que tenham os mesmos objetivos que você. Isso ajuda a manter o foco.

  1. Escolha os alimentos que funcionam para sua rotina

Não adianta incluir alimentos na dieta que, na prática, acabam desanimando por não serem saborosos. Quem não gosta de abóbora, por exemplo, não deve se forçar a comê-la.

Existem centenas de opções à disposição que são saudáveis e gostosas, basta conhecê-las e fazer escolhas certas ao longo do dia para promover a perda de peso. Aproveite a iniciativa de mudar a alimentação para provar a maior quantidade possível de frutas, legumes, verduras, gorduras boas e proteínas.

  1. Lembre-se do porquê você ter mudado

Quando o desejo por um doce bater forte, lembre-se do motivo de ter começado tudo isso. Há muito mais em jogo do que um corpo mais bonito. A base da saúde começa com uma alimentação saudável, e quanto mais ela for valorizada, menor será a chance de desenvolver doenças sérias como diabetes tipo 2, infertilidade, excesso de gordura no fígado e colesterol alto.​


Veja mais