Logon
Blog

Tireoide: saiba como reconhecer os sinais de disfunção da glândula

Distúrbios ligados aos hormônios podem impactar na saúde do paciente

​A tireoide é a estrutura responsável por produzir e liberar os hormônios que controlam o nosso metabolismo, protegem as gestantes contra o aborto e diminuem as chances de arritmias cardíacas. Neste texto, vamos explicar como é o seu funcionamento e quais são os sintomas que ligam o alerta para um possível descontrole da glândula. 

O que é tireoide?

É uma glândula em formato de borboleta, localizada no pescoço, na área próxima ao que popularmente chamamos “gogó" ou “pomo de adão". Ela produz três hormônios básicos: tiroxina (T4), tri-iodotironina (T3) e calcitonina (CT), que são substâncias necessárias para o desenvolvimento humano e responsáveis pelo desempenho do metabolismo, crescimento e amadurecimento de células e tecidos. Por isso a tireoide influencia todo o corpo, e variações no seu funcionamento podem prejudicar o seu equilíbrio. 

Sintomas de tireoide alterada

Mudanças na saúde podem apontar desequilíbrio na tireoide, como o hipotireoidismo, que é a queda na produção dos hormônios T3 (tri-iodotironina) e T4 (tiroxina), ou o hipertireoidismo, quando ocorre a produção excessiva desses hormônios.

Hipotireoidismo

  • Intestino preso
  • Diminuição da memória
  • Depressão
  • Cansaço abundante
  • Desaceleração dos batimentos cardíacos
  • Menstruação irregular
  • Dores musculares
  • Sonolência excessiva
  • Pele seca
  • Queda de cabelo
  • Ganho de peso
  • Aumento do colesterol no sangue 

Hipertireoidismo

  • Aumento do apetite
  • Aceleração e irregularidade dos batimentos cardíacos
  • Irritação e ansiedade
  • Tremor e sudorese nas mãos
  • Intolerância a altas temperaturas
  • Queda capilar
  • Crescimento acelerado e descamação das unhas
  • Fraqueza nos músculos
  • Intestino solto
  • Perda de peso
  • Alterações no período menstrual
  • Perda de cálcio nos ossos 

Quais os tipos de problema na tireoide?

Além dos quadros de hipo e hipertireoidismo, as modificações na glândula podem acarretar outros distúrbios, listados a seguir.

  • Tireoidite – inflamação que pode acontecer por causa de infecções virais, autoimunidade ou intoxicação pelo uso de medicamentos. Inclusive, ultimamente, médicos têm observado tireoidites desencadeadas depois da infecção por Covid-19.
  • Bócio – aumento do tamanho da tireoide.
  • Nódulos – na maioria dos casos são benignos e apresentam-se em forma de caroço. De acordo com a Sociedade Brasileira de Endocrinologia (SBE), estima-se que 60% da população brasileira apresenta nódulos na tireoide em algum momento da vida, mas apenas 5% deles são malignos.
  • Câncer de tireoide – quando a multiplicação tumoral se desenvolve na glândula. 

Como o hipotireoidismo e o hipertireoidismo são causados?

Com o consumo suficiente de iodo (como no Brasil, desde a década de 50 do século passado, quando o governo enriqueceu o sal de cozinha com iodo), o hipotireoidismo é originado, principalmente, pela tireoidite de Hashimoto, doença autoimune que promove a redução gradativa da glândula.

Já o hipertireoidismo é causado pela doença de Graves, também uma enfermidade autoimune, que, em vez de destruir a tireoide, produz anticorpos que estimulam a produção e a liberação em excesso de hormônios. 

Alterações na tireoide têm cura?

Grande parte das patologias tireoidianas pode ser resolvida com o uso de medicação, embora, em alguns casos, haja a necessidade de cirurgia e de terapêutica com iodo radioativo. O paciente deverá ser avaliado por um médico para que seja recomendado o tratamento adequado.

Segundo o Dr. Lucio Vieira, endocrinologista do Centro Médico do Hospital São Lucas Copacabana, o tipo de tratamento dependerá do estado de saúde geral do paciente. A cirurgia é definitiva, a radioiodoterapia deve ser evitada quando há descompensação de oftalmopatia (olhos esbugalhados) e as drogas antitireoidianas devem ser priorizadas quando o paciente não deseja nenhum dos dois procedimentos anteriores. Convém destacar que, depois da radioiodoterapia, a mulher precisa ficar alguns meses sem engravidar e os medicamentos devem ser trocados de acordo com o trimestre da gestação. 

Hospital São Lucas Copacabana

O HSL possui um centro especializado em problemas hormonais que conta com uma equipe de endocrinologistas experientes no acolhimento ao paciente durante toda a linha de cuidado. O espaço, localizado no Centro Médico do Shopping da Gávea, alia segurança, conforto e comodidade. Para saber mais, entre em contato pelo número (21) 2545-4000 (opção 1).

Veja mais